PASSO A PASSO EXPORTAÇÃO


Exportação é uma excelente forma de internacionalização e que otimiza a lucratividade da empresa, porém existem barreiras que as companhias enfrentam ao se internacionalizar desde aspectos culturais até burocráticos, porém que podem ser superados se bem administrados.


O fluxograma que será apresentado neste artigo tem como objetivo auxiliar exportadores a superar tais barreiras, reduzindo custos e gerando mais lucro para suas operações de exportação.


Estudo da viabilidade da exportação


Imersão


O passo que definirá o sucesso das exportações de uma empresa, é o da definição dos reais objetivos dessa empresa ao se internacionalizar. Segundo o especialista Nicola Minervini a empresa não deve exportar para tentar sair de uma crise, gozar da alta do câmbio, fazer testes de lucratividade ou imitar concorrentes – ela deve exportar se possuir capacidade exportadora.


Para saber se a empresa possui ou não capacidade exportadora, que não é sinônimo de capacidade de produção, é necessário iniciar a coleta de dados que servirão para o estudo e análise de mercado.


O estudo baseia-se em entender como o produto ou serviço que a empresa produz se adaptará em determinado país, para isso é necessário conhecer hábitos, culturas, tradições, quantidade de habitantes, quantidade de consumidores, Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), Medição de Desigualdade Social (GINI), aceitação por novos produtos, leis, políticas, economia, concorrência local e muitos outros fatores que podem ser analisados



Negociação e viabilidade financeira


A negociação é uma importante etapa para verificar a viabilidade financeira da operação, são diversos players com os quais o exportador tem a oportunidade de negociar, tais como despachantes aduaneiros, agentes de carga, trading companies, transportadoras e o próprio comprador, com quem negociará condições de pagamento da mercadoria, frete, responsabilidades e INCOTERMS.


No momento de negociação além de definir condições financeiras e de responsabilidade é importante conhecer possíveis benefícios que possam existir na operação, a exemplo dos regimes especiais e acordos comerciais, que podem tornar a operação mais econômica ou até mesmo mais simplificada.


O exportador conseguirá obter informações, valores e condições por parte de seus fornecedores, de órgãos anuentes e autoridades apenas após fornecer-lhes algumas especificações sobre a sua mercadoria, como origem e destino, peso, volume, dimensões, quantidade de mercadorias e Nomenclatura Comum do Mercosul (NCM).


Normas Nacionais e Internacionais


RADAR:


É exigência da Receita Federal brasileira que a primeira coisa que o exportador precisa para iniciar sua operação logística é a criação do RADAR ( Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros), que é, em suma, a habilitação para que a pessoa jurídica possa operar no Comércio Exterior.



Emissão de documentos;


Após a negociação de frete internacional com o agente de cargas e todos os dados do embarque em mãos, o exportador ou a empresa contratada por ele, deve emitir os seguintes documentos, dentro dos prazos acordados com as transportadoras e autoridades: Nota Fiscal, Invoice, Packing List e Conhecimento de Embarque.


Licenças e certificados de Exportação :


Os órgãos anuentes são responsáveis por averiguar se as mercadorias que serão exportadas estão de acordo com o que diz a legislação. O módulo LPCO está no Portal Único junto com a DU-E, e a autoridade possui até 30 dias para deferir ou não o pedido de licença.



Declaração Única de Exportação:


A elaboração da DU-E é realizada através do Portal Único e deve ser elaborada através da Nota Fiscal de Exportação, ela substitui o antigo RE (Registro de Exportação), a DE (Declaração de Exportação) e a DSE (Declaração Simplificada de Exportação).


Atenção para alguns detalhes:


  • Após emitida, a DU-E possui a validade de 15 dias, ou seja, o exportador tem 15 dias para seguir com o fluxo de exportação.


  • A mercadoria só poderá ser desembaraçada se a licença de exportação for deferida.




Câmbio de Exportação:


Como o livre curso de moedas estrangeiras não é permitido no Brasil, todo o montante recebido do exterior pelas exportações deve ser convertido em moeda nacional por meio da venda da moeda estrangeira.


O contrato de câmbio deve ser realizado com instituições como bancos e corretoras regularizadas pelo Banco Central, para isso é necessário documentações que se referem a mercadoria e a negociação entre importador e exportador.


Os exportadores e players do Comércio Exterior devem se atentar, pois muitas vezes além do ptax cobrado é somado um spread para corrigir as flutuações cambiais.



O Transporte Internacional



Reserva de praça ou booking:


O agente de carga realiza o booking (ou reserva de praça) com a transportadora que irá coletar a carga, e com a companhia aérea ou marítima. Na sequência, serão definidos alguns prazos, também chamados de deadline. Toda documentação exigida para a exportação e a carga deverão estar prontas dentro desses prazos, caso contrário haverá multas ou cobranças de armazenagem (se a carga já esteja em propriedade de terceiros).


Coleta da carga e recepção da carga no terminal:


Após a reserva, preparação das documentações e da carga é agendado a coleta da carga e entrega na mesma no terminal de embarque, onde aguardará com o depositário até ser apresentada para o despacho aduaneiro.



Apresentação da carga para despacho aduaneiro:


Após a coleta da carga e sua entrega no terminal portuário ou aeroportuário, aguarda-se que ela seja liberada pelas autoridades. “Toda mercadoria destinada ao exterior está sujeita ao despacho de exportação


Na exportação a parametrização pode acontecer nos canais verde, laranja e vermelho.


Entrega da carga para a transportadora:


Por fim, a carga é liberada, se parametrizada em canal verde e entregue a transportadora que realizará o transporte internacional.


Follow up;

Após a liberação, a carga será embarcada conforme combinado com a companhia de transporte, a comunicação e atualização para o comprador, neste ínterim, é muito importante, pois haverá procedimentos burocráticos que ele precisará cumprir no destino.


Chegada do embarque:


Na chegada do embarque o importador e seus representantes no destino são responsáveis por seguir as normas internacionais e realizar procedimentos burocráticos para a entrada da mercadoria no país.

Pós-venda

A boa comunicação com o comprador após a venda é de suma importância. Mostrar-se interessado em saber se o embarque chegou dentro do prazo esperado, se a mercadoria estava completa, se houveram avarias ou danos na carga, se a liberação foi rápida ou demorou no destino. Estas atitudes fortalecem o relacionamento e a lealdade entre as partes contratantes.


Planejando próximos embarques


Para melhorar cada vez mais a qualidade do produto ofertado à determinada nação é necessário muito estudo e análise da mercadoria e de sua aceitação, e a tecnologia é uma excelente aliada para isso! Com experiência e bons fornecedores é possível reduzir os custos e riscos das operações, aumentar lucro, otimizar o tempo e controlar muito melhor cada processo.



Esse artigo foi escrito para a Conexos por Kauana Benthien A. Pacheco

Kauana é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É fundadora da página de conteúdo sobre Comércio Exterior, a ComexLand, onde escreve sobre Economia Global e Comércio Internacional.