Importação dos EUA: existem oportunidades?

Mesmo com a grande queda nas importações no primeiro semestre do ano provocada pelo Corona vírus e pela desvalorização do real frente ao dólar, os Estados Unidos continuaram representando grande parte das importações brasileiras.


Em 2019 os Estados Unidos representaram 17% de todas as importações brasileiras, ocupando a 2ª colocação no ranking de principal parceiro comercial brasileiro, perdendo apenas para a China, que representou quase 20% de todas as importações do Brasil.


Ao analisar a balança comercial fica claro que dependemos mais dos Estados Unidos do que eles do Brasil, existindo déficit, ao contrário da relação comercial com a China, onde há um superávit brasileiro.


As principais mercadorias importadas dos Estados Unidos são: óleos e combustíveis de petróleo, adubos e fertilizantes, aeronaves, equipamentos de engenharia civil, carvão, óleos brutos de petróleo, gás natural, trigo e centeio, frutas e nozes, milho, medicamentos incluindo veterinários, produtos hortícolas, entre outras.


Ainda existem oportunidades de importar dos Estados Unidos?


Mesmo com o dólar atingindo a máxima nominal histórica, os produtos americanos continuam cobiçados pelos brasileiros, pois além do preço justo, possuem qualidade excepcional, e mesmo que a China invista em melhorar a qualidade de seus produtos, as marcas americanas possuem um maior reconhecimento internacional. Somado a isso, o país norte americano está mais próximo do Brasil, tornando o transit time bem menor do que importar do gigante asiático, fazendo do tempo uma vantagem competitiva americana.


Pelos motivos citados acima, diversas empresas brasileiras enxergam a importação dos Estados Unidos como uma grande oportunidade de negócio, mas devem sempre realizar a operação de forma regular, pois as consequências de não cumprir a legislação podem ser grandes.


Importante lembrar que o Brasil não permite que pessoas físicas comprem produtos estrangeiros e os comercializem! Para tanto é necessário ser pessoa jurídica e possuir RADAR (Registro e Rastreamento da Atuação dos Intervenientes Aduaneiros).


Leia: Radar na Importação: Habilitação para empresas de Comex


Quais são as burocracias ao importar dos Estados Unidos?


A importação para ser lícita deve ser declarada à Receita Federal, para isso são diversas as documentações necessárias para importar, tais como:


  • Conhecimento de embarque (documento emitido pela transportadora e representantes);

  • Invoice (fatura comercial);

  • Packing List ou romaneio (demonstrativo de tudo que foi embarcado e suas características).


Importante mencionar que diversos produtos no Brasil exigem licenças especiais que atestem sua qualidade, para que sejam comercializadas aos consumidores, emitidas através dos órgãos anuentes como ANVISA, INMETRO, MAPA, ANEEL, entre muitos outros.


Para descobrir se o produto requer anuências ou não, ou seja, se precisará de licenças e certificados para entrada no país, é necessário saber a sua NCM (Nomenclatura Comum do Mercosul) e verificar seu tratamento administrativo perante a Receita Federal brasileira.


Neste link é possível consultar a necessidade de anuências para cada NCM:


https://siscomex.desenvolvimento.gov.br/tratamento/private/pages/consulta_tratamento.jsf


Para importar produtos com marca registrada, o proprietário da marca deve autorizar a importação, distribuição e comercialização dos seus produtos e, provavelmente, haverá a necessidade de pagamento de royalties, cuja remuneração precisa ser negociada em contrato.



Como encontrar fornecedores confiáveis?


O que determinará o sucesso da operação é encontrar fornecedores confiáveis que tenham experiência em exportar para o Brasil, que atendam às normas brasileiras regulamentadoras e possuam uma boa comunicação para a realização do tracking da mercadoria e do follow-up para a sua empresa.


Muitas vezes, no Comércio Exterior, o barato pode sair caro” , por isso opte por empresas consolidadas no mercado e que sigam à risca o que manda a legislação. Converse com pessoas da área e/ou que já realizaram esse processo, busque recomendações de empresas e procure estudar para entender melhor como funcionam os trâmites.


Como é negociar com americanos?


Atualmente os sites facilitam a negociação e pagamento entre as partes, porém é sempre bom conhecer, ainda que através de e-mail, telefone ou WhatsApp apenas, com quem se está negociando, para quem sabe até conseguir melhores condições.


Americanos são objetivos e negociadores natos, deixe claro na conversa o que você busca, qual a sua intenção, não tenha medo em discutir assuntos, tenha em mente uma proposta sólida antes de iniciar a negociação e vá até o final com ela.


Vale a pena importar dos EUA?


As vantagens de importar dos Estados Unidos são:


  1. Grande qualidade nos produtos;

  2. Preço competitivo;

  3. Mesmo com a alta do dólar e tributação, preços continuam atrativos.


Então, sim, ainda vale a pena importar dos Estados Unidos e tal operação pode trazer grande lucratividade às empresas brasileiras.

O processo de importação deve ser realizado com fornecedores de confiança e que sigam exatamente o que determina a Instrução Normativa que regem as normas do Comércio Exterior.



Leia mais artigos sobre Estados Unidos.


Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco para a Mainô


Kauana é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É fundadora da página de conteúdo sobre Comércio Exterior, a ComexLand, onde escreve sobre Economia Global e Comércio Internacional.



Mainô:

A Mainô entrega um sistema de gestão rápido, 

simples e especializado para empresas que atuam 

no comércio internacional e buscam uma 

vantagem competitiva.



Quer experimentar o sistema da Mainô? Use o cupom COMEXLAND.