Como foi o evento LogTech Brasil?

Atualizado: 21 de Mai de 2019





No início desse mês ganhei o sorteio que o Jonas Vieira realizou aqui no LinkedIn, e tive a oportunidade de participar de um produtivo evento. O 1º LogTech Brasil aconteceu em Itajaí, o evento reuniu profissionais de comércio exterior que possuem vontade de se desenvolver e inovar profissionalmente através da tecnologia.


Além de palestras muito proveitosas sobre a contribuição da tecnologia no comércio exterior, o evento ainda atingiu o seu objetivo de fortalecer parcerias e criar networking.

O evento foi divido em 3 excepcionais palestras e 1 momento para descontração e networking. O momento das palestras contou com com palestrantes inovadores e tempestivos, que deixaram bem claro que já estamos vivendo o futuro, só não vê quem não quer.


1ª palestra - Como as tecnologias de Big Data tem ajudado as empresas Brasileiras a evoluir em meio a crise ( Helmuth Hofstatter)

Na primeira palestra Helmuth Hofstatter (CEO & Founder na Logcomex), abordou um tema importantíssimo quando se fala em gestão de informação: Big Data.


Big Data é a análise e a interpretação de grandes volumes de dados de grande variedade.

Helmuth, iniciou a palestra indicando que quando falamos em Big Data, estamos falando em VARIEDADE, VOLUME e VELOCIDADE de dados. Os dados não podem mais ser analisados como eram no passado, apenas através de tabelas e planilhas, agora o fluxo de informações é muito mais amplo e rápido.


Se os dados forem recebidos, analisados e interpretados da maneira correta, a venda e prospecção de novos mercados é facilitada para todos os integrantes do comércio exterior, pois através do recebimento de um grande volume de dados das mais diversas formas, é possível entender exatamente quem é o cliente e o quais são suas reais necessidades.


Helmuth ainda abordou como a automação aliada com o big data pode transformar qualquer empresa em um ambiente livre de falhas e com eficiência logística, economizando tempo e consequentemente reduzindo custos operacionais.

A palestra nos fez perceber que a tecnologia pode ser uma grande amiga para quem estiver disposto a permitir sua entrada.


2ª palestra - Tendências tecnológicas para melhorar os custos de serviços logísticos (Jociano Motta)

Essa palestra, além de super divertida, trouxe informações valiosas para os profissionais de comex, Jociano Motta (Founder / CEO na Cheap2ship), apontou o seguinte

questionamento


Seu emprego estará seguro daqui 10 ,5 ou 3 anos?

Em breve muitas profissões serão substituídas por tecnologia, exemplos aplicados no comércio exterior:


  • Contratar um serviço de frete será tão fácil quanto comprar uma passagem aérea.


  • Cada vez mais os gigantes armadores estão em busca de oferecer serviços de agenciamento de carga;


  • Cada vez mais a tecnologia substitui o trabalho do despachante aduaneiro (na segunda-feira 29/04 o armador Mærsk inaugurou a tecnologia de desembaraço aduaneiro digital)


Então, é o fim do agente de carga ? É o fim do despachante aduaneiro?

NÃO! Mas esse profissional terá que oferecer ainda mais sua CRIATIVIDADE, PERSONALIZAÇÃO e PROPÓSITO pelo o que faz, se quiser continuar no mercado.


Ao meu ver, as pessoas se dividirão em dois grupos: VALIOSAS pela diferença que fazem, sempre vão atrás da inovação ou IRRELEVANTES por lamentar que a tecnologia acabou com o emprego delas.


Então, a excelente palestra foi finalizada com uma dinâmica, mostrando que deve se ter coragem para se obter o sucesso nesse futuro tão breve e que a revolução deve acontecer em todos os setores da empresa e não apenas em um.


3ª palestra - Blockchain e os impactos para o comércio exterior ( Felipe Navas)


É impossível falar de tecnologia para qualquer área e não citar BlockChain, o Felipe Navas (Head of Digital Practice, Cyber law & Data privacy) foi responsável por palestrar sobre o tema mais complexo, os impactos da BlockChain no Comércio exterior.


É surpreendente como a cadeia de blocos pode revolucionar o comércio internacional de diversas formas, nos quesitos segurança, agilidade e formas de negociação. E juntamente com a tecnologia de IoT (Internet das Coisas) pode facilitar muito o fluxo de cargas em portos e aeroportos pelo mundo.


Felipe apresentou diversas empresas que já estão utilizando a tecnologia e uma delas é o Spotfy, que assegura os direitos autorais dos artistas através dessa tecnologia. A palestra foi concluída enaltecendo que:


"BlockChain não tem uma autoridade central"

Então, eu não pude deixar de perguntar como essa tecnologia pode chegar no Brasil com quantidade de burocracias que temos que enfrentar hoje em dia, Felipe Navas foi sensacional em sua resposta, apontando países que já possuem regulamento para uso de BlockChain e mostrou que algumas autoridades brasileiras já pensam em proibir,

Mas isso teremos que acompanhar nos próximos capítulos...


Networking, Recebidos & Conclusão Final.

Além dessas palestras ainda foi possível realizar um proveitoso networking e como diz Jonas "desvirtualizar" os contatos!


Antes de voltar para Curitiba, recebi vários presentinhos das empresas que promoveram o evento (Royal Cargo, Next, Fox, LogComex).


Se você quer ver tudo o que eu ganhei siga o meu instagram de comex: @comexland


Quem me segue aqui no LinkedIn sabe como eu sou apaixonada por COMÉRCIO EXTERIOR E TECNOLOGIA, e já escrevi alguns artigos sobre o assunto aqui na rede, note abaixo:


Seu emprego está garantido na indústria 4.0? O artigo indica quais profissões serão extintas no futuro, e o que fazer para continuar obtendo sucesso na área de comércio exterior.


Blockchain e o comércio exterior O artigo analisa o que é BlockChain e as principais influências para o comércio exterior.


Porto de Hamburgo, a porta para o futuro O artigo mostra a automação do porto de Hamburgo.


COMEX 4.0 O artigo explica sobre Internet das coisas e BlockChain, aponta empresas de comércio exterior que já utilizam essas tecnologias.


A conclusão final é que o futuro já chegou para o comércio exterior, apenas os profissionais que buscam por conhecimento e sempre se mantém atualizados vão continuar no mercado de trabalho.


E você? Como se sente em relação a todas essa tecnologias? Deixe sua opinião nos comentários!


Quem é Kauana Pacheco ?

Kauana trabalha e escreve sobre Comércio Exterior e Negócios Internacionais, residiu em St. Petersburg na Flórida, onde aprendeu a língua inglesa e teve a oportunidade de se inserir na cultura americana, e também pôde conhecer culturas de diversas partes do mundo.

Ama o mar, não é à toa que trabalha com importação marítima!

> Instagram pessoal: @kaubp

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo