Como escolher a melhor rota para minha carga?

Na logística, rota é o caminho ou trajetória que leva uma carga do ponto A ao ponto B. A escolha da rota sempre foi um desafio para os importadores e exportadores, pois é um dos fatores determinantes para o sucesso do embarque.


O estudo de rotas existe com o objetivo de otimizar as operações de transporte nacional e internacional. Com um bom planejamento e análise é possível mitigar riscos e reduzir custos e desperdícios.


A situação atual do comércio internacional demanda um estudo de rota ainda mais profundo, pois a previsibilidade nas operações está cada vez mais difícil de alcançar. Armadores estão realizando operações de Blank Sailing com frequência, isto é, a omissão de navios em determinados portos que a atracação não justifica os custos financeiros para a companhia. Alguns países estão retendo produtos hospitalares em seu território, mesmo esses produtos tendo destino final outra nação.


Como escolher a melhor rota para o frete internacional?


1- Análise das sobretaxas:

Em uma operação de frete internacional, além das taxas já conhecidas como o frete principal, capatazia, BAF, CAF e outras, ainda existem as sobretaxas, ou seja, valores acrescidos no valor do frete para determinadas situações que as companhias de transporte enfrentam ao longo da operação. Abaixo dois exemplos recentes:


No período de isolamento da China, os portos automatizados garantiram que containeres fossem descarregados do navio, porém não havia transportadoras para a sua retirada. Dessa forma houve congestionamento no pátio e a cobrança da sobretaxa Congestion Fee.


Na primeira semana de maio, um avião da Embraer que transportava equipamentos médicos, foi atingido por uma autoridade local da Somália, por engano. Por esse motivo, em locais perigosos há a incidência da sobretaxa War Surcharge.


Além das duas sobretaxas citadas, ainda há muitas outras que podem existir de acordo com diferentes rotas em que o navio ou a aeronave realizarem. Portanto, para realizar a escolha da rota é necessário avaliar a viabilidade financeira incluindo os fatores de risco e suas sobretaxas.


2- Transit time


Transit time é o tempo de trânsito do frete internacional desde o porto/aeroporto de origem até a chegada ao seu destino.


Muitos importadores buscam formas de como reduzir o transit time. O estudo de rotas pode ajudar a fazer com que o tempo de trânsito seja reduzido, isso deve ser considerado principalmente em embarques que necessitam de urgência.


Escolher o porto de origem e destino é uma estratégia para redução do tempo de chegada da carga, pois o navio ou aeronave possuem diversas rotas a serem cumpridas. Dessa forma, para exportação é ideal escolher o último porto/aeroporto de escala e para importação o primeiro porto/aeroporto, evitando que a carga aguarde o navio por um longo período. Para isso é necessário que a rota seja realizada por outro modal até chegar no ponto desejado.


Leia também: Como escolher o porto de destino da minha carga?



Outra estratégia é escolher armadores que realizem o frete com menos escalas, isso pode possuir um custo mais elevado, porém não ainda não se compara ao embarque aéreo.


3- Segurança da carga


Além das escalas que fazem com que as companhias de transporte parem em diversos países, muitas vezes ainda é necessário o abastecimento em determinada nação. Porém, nesse delicado momento que o mundo está enfrentando há a necessidade de tomar cuidado sobre quais países o transportador da sua carga irá parar. Abaixo um planejamento real do governo brasileiro para importar insumos médicos-hospitalares:


O governo brasileiro importou 40 milhões de máscara e para garantir o recebimento em território nacional, o planejamento da rota foi diferente do habitual, onde o voo faz escala nos Estados Unidos ou Europa. O planejamento do voo foi com decolagem em Guangzhou (China) com escala em Dubai (Emirados Árabes Unidos) e pouso no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Ainda foram estudadas outras possibilidades de rota para os próximos envios como China, Austrália, Nova Zelândia e Chile.


Para o importador ou exportador conseguir utilizar os 3 tópicos listados acima é necessário uma empresa especializada no assunto e que consiga realizar a análise dos indicadores de desempenho de cada embarque, a fim de comparar prazos e custos da operação e por fim criar uma estratégia de otimização logística que garanta a rota mais adequada para sua carga.


Agora é com você, leitor! Entre em contato conosco para te ajudarmos a escolher a melhor rota para seu embarque.



Artigo escrito por Kauana Benthien A. Pacheco para a Pinho International Logistics

Kauana tem seis anos de experiência no comex, é formada em Negócios Internacionais e cursa pós-graduação em Big Data & Market Intelligence. É criadora da página de conteúdo sobre comércio exterior, a ComexLand, onde escreve sobre Economia Global e Comércio Internacional.


13 visualizações