Como enfrentar os backlogs no modal aéreo?

Sabe aquela carga urgente que não poderia atrasar de jeito nenhum? Provavelmente você já passou pela situação dessa carga não conseguir embarcar por um backlog louco, inesperado, e fora dos peak seasons. É ai que nos perguntamos, o que podemos fazer nesses casos se não somos nós que controlamos a demanda de espaço nos aviões?


O que são backlogs?


Alguns feriados e datas comemorativas impactam diretamente a movimentação de cargas no mercado internacional e causam picos de demanda de fretes, que estão longe de serem suportados com tranquilidade pelas companhias áreas. Chamamos esses períodos de peak season , como férias escolares, Natal, Ano Novo, Thanksgiving, Ano Novo Chinês, etc. Nessas épocas do ano, o número de passageiros aumenta, e as cargas das empresas não são prioridade.


Precisamos lembrar que muitas empresas optam por transportar suas cargas por voos de passageiros ao invés de cargueiros, pois nem toda companhia aérea possui voos cargueiros disponíveis. Muitas vezes a frequência de voos é menor e os valores são geralmente mais altos. No entanto, do ponto de vista das companhias aéreas, os passageiros são sempre prioridade. Assim, quando há períodos de alta temporada, é muito comum que não se consiga espaço nas aeronaves para embarcar as cargas, causando os famosos backlogs.


Esse tipo de cenário não é controlado pelos prestadores de serviço, como os agentes de carga, que muitas vezes levam a “culpa” pelo atraso da carga. Por isso, é muito importante deixar todos os atores cientes de que a demanda mundial ou do país em questão aumentou, e que isso afeta toda a operação. Mostrar a responsabilidade de cada player em cada etapa é importante até mesmo para que se possa pensar em opções alternativas, ao invés de apontar culpados.


Tratando das peak seasons, já sendo conhecidas pelo mercado, é importante que o agente deixe seu cliente informado nos meses de acontecimentos importantes, para que ele possa se planejar com antecedência, se possível for. O próprio importador também precisa estar inteirado com o mercado mundial para saber como um acontecimento do outro lado do mundo pode impactar no seu planejamento aqui no Brasil.

No entanto, o que fazer se o backlog acontece “repentinamente”?


Para quem está trabalhando com a rota Miami x Brasil (Rio e SP) nesse começo de mês, já sabe que estamos enfrentando exatamente essa situação, por exemplo. Não estamos em peak season e mesmo assim os voos estão sem espaço. O que aconteceu e como reagir a isso?


Falamos muito sobre a falta de espaço para cargas frente a demanda de passageiros, mas essa não é a única razão para uma falta de espaço. No cenário atual, por exemplo, o mercado está reaquecendo com a retomada da economia depois do grande pico da pandemia mundial e a rota acima, uma das principais do mundo, sofre diretamente com a alta demanda. Assim, muitas empresas querendo embarcar juntas levam a um aumento dos preços e atrasos inesperados.


O que se pode fazer nesses momentos?


Infelizmente não existe uma solução mágica para embarcar sua carga, não importa o quão urgente ela é. No entanto, é possível considerar algumas opções antes de desistir:


1. Veja outras opções de rotas.


Sabemos que as rotas “alternativas” acabam sendo impactadas e sofrendo um reflexo com alta demanda já que são as primeiras opções a serem buscadas quando a rota “principal” não está disponível. No entanto, é importante não desistir delas. Tentar o booking mesmo como segunda opção é importante pois muitas vezes outras cargas não embarcam pois conseguiram espaço na rota principal, e aqueles que já tinham reserva saem em vantagem. Além disso, buscar rotas não tão usuais pode ser uma opção muito vantajosa quando se enfrenta um cenário muito crítico e as opções de voos são escassas. Embarcar por outras cidades e mudar o aeroporto de destino para uma cidade vizinha podem ser opções valiosas.


2. Busque tarifas must ride


Must ride são tarifas consideravelmente mais caras que algumas companhias aéreas oferecem para “garantir” que sua carga terá prioridade. Diferente dos embarques normais, onde as companhias podem retirar sua carga se não houver espaço, caso isso aconteça em uma tarifa must ride, existe a aplicação de multa. Sendo assim, sua carga é considerada como obrigatória no embarque. No entanto, este tipo de tarifa não costuma existir em épocas de peack season, justamente porque as companhias não conseguem essa garantia de embarque. No entanto, em épocas de backlog fora das peack seasons, é sempre bom checar se esta opção está disponível caso sua urgência valha o preço.


3. Divida os embarques


Já parou para pensar que uma carga menor é mais fácil de embarcar que uma de várias toneladas? As vezes estamos tão preocupados com a chegada do material, que esquecemos que parte dele já nos atenderia se chegasse no prazo, mesmo que o restante atrase. Que tal dividir sua carga em diversos hawbs para ter mais chances de conseguir espaço nas aeronaves, já que serão operações separadas para a cia aérea? Para quem não tinha nada, conseguir embarcar algo já o dobro, não é mesmo?


Portanto, não se desespere logo de início. É importante conhecer o mercado, as estações de mais demanda e quando um evento repentino acontecer, contar com a ajuda do seu prestador de serviço para pensar em opções que possam beneficiar a todos. Tentou de tudo e mesmo assim sua carga não embarcou?



Bem vindo ao comex! É uma caixinha de surpresas, mas você vai amar! Nem sempre ganhamos todas e faz parte. Comunique , prepare-se e execute. Preocupe-se com o que está ao seu alcance e entenda que nem tudo pode ser controlado. Um bom trabalho define-se muito mais pelo esforço desempenhado do que pelo resultado em si!



Artigo escrito por Julia Caetano:

Julia Caetano é formada em Relações Internacionais pela ESPM Rio e cursa pós-graduação em Gestão de Projetos. Amante do mercado externo, trabalha na área há 4 anos, além de ser produtora de conteúdo para o ComexLand.

Parceria: UxComex


34 visualizações